quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Próxima estação: Ilha

20/3/2008 01:37:00 



SuperVia quer estender linha férrea até o centro do bairro, com parada na Cidade Universitária 


Rio - A proposta da SuperVia de criar uma linha de trem ligando a Central do Brasil à Ilha de Governador — antecipada pelo ‘Informe do DIA’, ontem — foi bem recebida pelo governo do estado. A idéia foi apresentada ao governador Sérgio Cabral Filho e ao secretário estadual de Transportes, Julio Lopes, no fim de fevereiro e deve voltar a ser discutida quando eles voltarem da viagem ao Japão e à Coréia.
Uma nova linha de trens vai desafogar o trânsito da Linha Vermelha e da Av. Brasil?
Com apenas 11 quilômetros de extensão, a linha reduziria os engarrafamentos que atormentam os moradores do bairro. O investimento é avaliado pela concessionária em R$ 700 milhões e a obra ficaria pronta em prazo de cinco anos.
“O projeto é bem visto pelo governo do estado. Eu e o governador, quando fomos apresentados à idéia, em princípio, gostamos bastante, por se tratar de mais uma alternativa de transporte de massa para uma região como a da Ilha, com alta densidade demográfica”, afirmou o secretário Julio Lopes.
A linha teria quatro novas estações, partindo do Centro da Ilha do Governador e passando pelo Galeão, Fundão (Cidade Universitária); Avenida Brasil, na altura da Maré, até Bonsucesso, onde seria feita a integração com o teleférico do Complexo do Alemão. A ligação com a Gare Pedro II seria feita pelo ramal de Saracuruna. A estimativa é que, inicialmente, 50 mil utilizariam o trecho diariamente. Mas cálculos da concessionária apontam a possibilidade de chegar a 200 mil passageiros.
O presidente da SuperVia, Amin Murad, sugeriu que o estado entre com o financiamento de R$ 700 milhões e a concessionária entre na negociação com a compra dos novos trens e administração do sistema.
“Essa é uma obra típica do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). O custo se equipara ao da construção de duas estações do metrô. Não é uma obra complexa”, afirma.
Segundo o secretário, para que o projeto seja apresentado ao governo federal, responsável e gestor do PAC, seria preciso um estudo mais completo de viabilidade. Haveria trechos suspensos sobre a Avenida Brasil, o canal do Fundão e a entrada da Ilha. Seriam necessárias desapropriações na Maré e licenças ambientais.
“Será preciso fazer um estudo detalhado, análise de viabilidade técnica, econômica e financeira. O custo de R$ 700 milhões é apenas estimativa”, diz Lopes.
Concessionária planeja também trem de luxo
Se a idéia vingar, a SuperVia pensa em pôr em circulação um trem de luxo para os turistas que chegam ao Rio através do Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim. “Ele seria mais confortável e a tarifa seria mais cara”, afirma Amin Murad.

Os moradores da Ilha do Governador são favoráveis a tudo que ajude a reduzir o congestionamento na saída do bairro. “Eu até já dei essa idéia à subprefeitura. Aliviaria bastante o trânsito. Enfrento até uma hora de congestionamento quando preciso ir ao Centro do Rio”, conta o padre José Lourival Bergmann, 54, da Igreja São José Operário.
A médica Marcela de Sá Vieira, 33 anos, também aprova a idéia, embora diga que não seria uma usuária do novo trecho. “Diminuiria os engarrafamentos, mas como tenho que me deslocar para vários locais de trabalho, não posso abrir mão do carro”, conta.

O engenheiro de transporte Sérgio Balloussier diz que o projeto é original, mas acha que a estimativa de passageiros está superestimada. “Hoje, todo o sistema da SuperVia transporta cerca de 400 mil pessoas por dia. Não vejo demanda na região para chegar a 200 mil”, diz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário